sábado, 6 de fevereiro de 2016

O ABRAÇO DA NOITE

No centro de uma metrópole uma mulher geme de prazer e dor. O pouco som dos carros rodando na madrugada de uma quarta-feira comum se mistura ao som da meretriz que se entrega a seu cliente com mais do que satisfação sexual ou financeiro.

A cena é peculiar, o cliente este totalmente vestido com roupas finas, terno escuro, camisa branca de seda, gravata azul marinho escuro e um sapato bem lustrado. Enquanto a mulher esta totalmente nua, apenas com um colar de safiras e prata tão polido como o sapato do anfitrião. O corpo dela é uma obra de Afrodite, seios fartos, redondos e macios, coxas volumosas e definidas, junto com uma bela e generosa bunda latina, com uma linda borboleta tatuada onde fica a marca do biquíni extremamente pequena.
O dono dela, nessa noite tem um gosto peculiar, fez ela se despir sem cerimônias e entregou o colar a ela. Ele explica que era uma relíquia da família que esta com ele há séculos. Confusa e não entendendo o que ele queria dizer com isso, ela coloco o colar delicado e deitou-se na cama. “Ahh, a cama” ela pensa. Revestida com lençóis de seda suaves com penas das mais belas aves do monte olimpo.
Ele chega perto e senta-se na cama. Acaricia as pernas subindo dos pés para a virilha fazendo com que se arrepie com a mão gelada. Começa a tocar-lhe suave e habilidosamente deixando claro que já fez isso muitas vezes.
Ela se delicia com o prazer de ter um homem que queira dar prazer e não só lhe penetrar até gozar.
Ele aproxima sua boca da barriga e começa a beija-la, subindo lentamente até chegar a seu pescoço, onde da um beijo demorado e profundo, que logo se transforma em uma mordida que penetra sua pele sedosa com dentes afiados.
A loucura toma conta dela, entre a dor e o prazer ‘ do beijo’, um sentimento poucas vezes sentido por uma mulher que viveu para contar a historia.
Perdida no êxtase da mordida e surpreendida, quando ele solta a jugular e desse lambendo ate o seio e o morde, causando uma explosão de tesão.
Ele suga o seio como uma criança morta de fome, provocando gemidos alucinados na pobre jovem que não sabe o que esta acontecendo.
Ela sentiu seu corpo amolecer, a vida parece fugir dela com cada suspiro de prazer. Embora ela não queira que pare, sente a necessidade de se livrar do abraço mortal.
Desorientada, quase morta, ela vê ele morde os próprios lábios fazendo com que sangre e a beija na boca, trazendo a vida e a dor de volta.
E com um sorriso macabro ele diz:

 - Bem vinda à noite minha querida!